História de Caso de Therna Indami – Aluna da Escola de Formação de Professores da ADPP Guiné-Bissau, em Bachil

História de Caso

de Therna Indami

Aluna da Escola de Formação de Professores da ADPP Guiné-Bissau, em Bachil

É NECESSÁRIO MUITO OU POUCO ESFORÇO PARA MUDAR O MUNDO?

Cheguei à comunidade do Capo no mês de fevereiro onde estou a realizar o meu período de prática pedagógica. Estou a lecionar aos alunos da 1ª classe, são 22 meninas e 32 meninos na turma.

Desde os primeiros dias notei que os meninos aqui são muito mais ativos durante as aulas do que as meninas. Quando informava a turma que queria um aluno que pudesse vir ao quadro resolver exercícios, era frequente serem os meninos a mostrarem a iniciativa de participar na atividade. Percebi também que os meninos eram mais ativos para participar das discussões e mostravam mais confiança em responder às perguntas que faço à turma.

Com o fim de ajudar as meninas a construir sua confiança, decidi que, sempre que chamo os alunos para irem ao quadro, vou pedir que um menino e uma menina ou um menino e duas meninas venham e cumpram a tarefa. Depois que comecei a usar esse método, percebi que as meninas estão se tornando mais corajosas para participar das atividades em sala de aula e que gostam de realizar as tarefas no quadro. Desta forma, nossa turma descobriu que temos algumas meninas que possuem habilidades de escrita muito boas e possuem habilidades de caligrafia muito boas. No entanto, elas nunca mostraram suas habilidades antes porque eram tímidas em expressar seu desejo de ir ao quadro. Como resultado deste novo método, que comecei a usar para apoiar a participação das meninas nas atividades da sala de aula, agora, cada vez que temos algumas tarefas a serem executadas no quadro, temos muitas meninas a expressar o seu desejo de participar na atividade.

Outra observação que registei ao chegar à comunidade do Capo é que as atividades de limpeza da sala de aula eram realizadas apenas por alunas. Quando perguntei aos alunos porque é que apenas as meninas que varriam a sala de aula responderam que “é o trabalho das meninas e que os meninos não o podem fazer”. Depois de ouvir esta explicação, disse aos alunos que iriamos estabelecer 3 áreas de responsabilidade e que cada área seria cuidada por um menino e uma menina. Assim, estabelecemos as áreas de responsabilidade de “Higiene”, “Turma” e “Disciplina”. Como resultado, agora, para a atividade de limpeza sempre temos um menino e uma menina que arrumam a sala antes do início das aulas e os meninos não se estão a opor a participar na atividade.

Além disso, temos um menino e uma menina que estão a controlar se todos os alunos entram na aula antes da aula começar e outro menino e menina que estão cuidando que as regras estão sendo seguidas na sala de aula. Desta forma, as meninas estão assumindo as mesmas responsabilidades que os meninos, elas têm os mesmos direitos e deveres na execução das tarefas.

Depois de usar estes métodos diferentes para apoiar a participação igual de meninos e meninas nas atividades da sala de aula, comecei a perceber que as meninas estão se tornando mais corajosas para participar de qualquer uma das atividades organizadas na aula. Agora, as meninas estão mais confiantes para expressarem as suas opiniões nas discussões, são mais corajosas para participar das tarefas no quadro e também são mais fortes a se defenderem quando se trata de tratamento diferente de meninas e meninos na realização de responsabilidades de sala de aula.

Capo, 8 de maio de 2018

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *